Policial rodoviário é preso suspeito de corrupção na segunda fase da Operação Força e Honra no Noroeste do Estado

 Policial rodoviário é preso suspeito de corrupção na segunda fase da Operação Força e Honra no Noroeste do Estado

Foto reprodução da 1ª fase da Operação Força e Honra

O Ministério Público do Paraná, em conjunto com a Polícia Militar, deflagrou na manhã desta segunda-feira, 9 de agosto, a segunda fase da Operação Força e Honra, que investiga diversos crimes de corrupção e desvio de bens apreendidos envolvendo policiais rodoviários estaduais no Noroeste do estado. Foram cumpridos um mandado de prisão preventiva, um de suspensão do exercício da função e três de sequestro de veículos.

Operação do Gaeco prende 14 policiais rodoviários e um empresário que é vereador de Campo Mourão

Confira o patrimônio milionário dos policiais rodoviários presos na Operação Força e Honra

As investigações foram iniciadas em agosto de 2020 e apuram possíveis crimes de concussão, corrupção passiva, peculato, prevaricação, falsidade ideológica, lavagem de ativos e eventual receptação realizados por organização criminosa. Levantamento preliminar demonstrou incompatibilidade do patrimônio dos policiais – que chega a R$ 6 milhões – com seus rendimentos lícitos.

A Operação Força e Honra é conduzida no MPPR pelo núcleo de Umuarama do Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria) e pelo núcleo de Cascavel do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com a Subcorregedoria da Polícia Militar de Maringá. Todos os mandados foram expedidos pelo Juízo da Vara da Auditoria da Justiça Militar do Paraná.

Tráfico – Dentre os motivos que ensejaram a expedição do novo mandado de prisão, destaca-se o possível envolvimento de um dos policiais rodoviários com o tráfico de drogas, na medida em que houve a apreensão em sua residência de aproximadamente 2,180 quilos de pasta base de cocaína e de um quilo de haxixe, por ocasião do cumprimento dos mandados de busca e apreensão na primeira fase da operação. A droga teria sido desviada pelo investigado durante duas apreensões de grande carga de substâncias entorpecentes no posto da Polícia Rodoviária de Cianorte.

É investigado principalmente o possível recebimento sistemático de “propinas” por parte de policiais rodoviários estaduais para permitirem a passagem de veículos transportando mercadorias de origem estrangeira sem o devido pagamento de tributos (descaminho) e, em outros casos, para facilitação do tráfico de drogas. Eventualmente, os policiais investigados liberariam infratores que não acertavam o pagamento de propina depois de ficarem com parte dos produtos, revendidos posteriormente para empresas especializadas no comércio de equipamentos eletrônicos e outras. Em muitas situações, os boletins de ocorrência eram registrados de modo genérico, para facilitar a apropriação das mercadorias apreendidas. Está sendo investigado também o possível favorecimento na indicação de policiais para trabalhar nos postos de fiscalização, em troca de repasse de propinas.

Reportagem exibida no Fantástico da Globo no domingo, 08 de agosto de 2021

Processo número 0010245-78.2021.8.16.0013.

Veja matéria anterior sobre a Operação Força e Honra:

14/07/2021 – Gaeco e PM cumprem 15 mandados de prisão preventiva contra policiais rodoviários estaduais e um empresário e vereador de Campo Mourão

Informações para a imprensa
Assessoria de Comunicação
comunicacao@mppr.mp.br