Ratinho Junior prorroga medidas menos restritivas até 1º de abril

 Ratinho Junior prorroga medidas menos restritivas até 1º de abril

Pitanga registra mais onze (11) casos nas últimas horas

No pior momento da pandemia do novo coronavírus no Paraná, o governador Ratinho Junior (PSD) prorrogou as medidas menos restritivas até as 5h de 1º de abril. O decreto foi publicado nesta terça-feira (16).

Entre as restrições que continuarão em vigor estão o toque de recolher entre 20h e 5h e a proibição da venda e do consumo de bebidas alcoólicas em espaços de uso público nesse horário. Aos sábados e domingos, funcionam somente os serviços essenciais.

As medidas são menos restritivas do que as adotadas pelo próprio governo estadual, em 26 de fevereiro, quando o sistema de saúde estava menos pressionado. Até 9 de março, houve restrições como a proibição de atividades não essenciais.

Nesta terça, o estado registrou o maior número de mortes por Covid-19 em um dia, com 310 novos registros. A lotação das UTIs do Sistema Único de Saúde (SUS) para adultos está em 96%. Há fila de 1.357 pessoas esperando por leitos, sendo 641 em UTIs – recorde desde o início da pandemia.

Dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) mostram também que a taxa de transmissão do novo coronavírus no Paraná está em 1,33 – maior número entre todos os estados. Isso indica que a curva está em crescimento.

Colapso na saúde

O Paraná vive, desde o início de março, o pior momento da pandemia em todos os indicadores.

Nesta terça-feira, o estado completou 26 dias com a taxa de ocupação de UTIs acima de 90%. No domingo (14), a ocupação atingiu 98% dos leitos.

O número de pessoas internadas com coronavírus ou suspeita da doença é recorde, com 5.226 pacientes em leitos de UTI e enfermaria.

Além da superlotação, a Sesa informou na noite de segunda (15) que o estoque de bloqueadores musculares, usados no processo de entubação dos pacientes, duraria por até quinta-feira (18). Já o de sedativos e analgésicos era suficiente até 23 de março.

Isolamento e medidas

O estado adotou medidas mais restritas por onze dias, de 26 de fevereiro ao dia 10 de março. Na oportunidade, foi determinado o fechamento dos serviços não essenciais no estado e o toque de recolher das 20h às 5h.

Durante a vigência do primeiro decreto, o índice de isolamento social no estado esteve entre 34% e 35% no Paraná, de 1º a 4 de março, de acordo com o monitoramento feito com dados de geolocalização pela empresa In Loco. Nos finais de semana, houve índices acima de 50%.

A proporção foi maior do que nas duas semanas anteriores ao decreto, quando o isolamento, de segunda a sexta-feira, esteve entre 29% e 31%. Naquele período, serviços não essenciais estavam funcionando e o toque de recolher valia das 23h às 5h.

Do G1 Paraná